Você adicionou um produto ao carrinho
Continuar Comprando! Fechar Compra!
O que você precisa saber sobre a “visão” dos espíritos goéticos
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

O que você precisa saber sobre a “visão” dos espíritos goéticos

Uma análise sob o ponto de vista mágico

O que você precisa saber sobre a “visão” dos espíritos goéticos

O que você precisa saber sobre a “visão” dos espíritos goéticos

O que você precisa saber sobre a “visão” dos espíritos goéticos

O que você precisa saber sobre a “visão” dos espíritos goéticos

O que você precisa saber sobre a “visão” dos espíritos goéticos

O que você precisa saber sobre a “visão” dos espíritos goéticos

O que você precisa saber sobre a “visão” dos espíritos goéticos

O que você precisa saber sobre a “visão” dos espíritos goéticos

Muito se pergunta sobre qual a forma exata de manifestação dos espíritos em geral, mas especificamente os da Goétia.

E longe de ter uma resposta exata, eu diria sem sombra de dúvidas que dependem de inúmeros fatores, além de sinais extremamente sutis que apelam para um nível de sentimento e entendimento completamente subjetivo, tais como: diálogo unicamente mental, sensações de arrepios, visões de vultos, mudanças de temperatura e etc.. mas tudo isso opera na esfera da subjetividade em sua maioria das vezes, além, é claro, da sensibilidade (mediunidade) do mago.

O fato é que os grimoires nas conjurações por si só expõe o seguinte: "Apareça ante mim em forma humana inteligível, sem tortuosidade e deformidade”. Existem inúmeras variações de conjuros nos quais é sugerido ao magista e práticante do Grimoire que ele exerça sua vontade em atrair o daemon em questão de forma compreensível a si, o que normalmente é citado como feições humanos e inteligíveis.

O fato é que, para cada pessoa o espírito tenderá a ter um tipo de trato, relacionamento e por si só uma forma de manifestar, "aparecer" e por fim trabalhar para o mago.

Não podemos engessar a uma única forma de manifestação e muito menos nos apegarmos às descrições dos grimoires dos magos medievais e todo seus temores religiosos e em especial a ideia equivocada que estavam apenas lidando com "demônios" no sentido cristão dessa interpretação.

Sempre deixe a sua prática ser seu guia e único mestre.

Boa sorte!

 

 

 

 

 

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário